As crianças não são de vidro!


É verdade que queremos proteger as crianças e é verdade que as crianças precisam de ser cuidadas. Cuidar, implica afeto, limites, dedicar tempo, atenção e implica também criar um caminho fértil para o desenvolvimento equilibrado das crianças. No entanto, muitas vezes, confundimos cuidar com hiper proteção, e aí, de repente, tratamos as crianças como se de vidros se tratassem e, a qualquer momento, pudessem partir! 

          Sempre que hiper protegemos uma criança, retiramos-lhe autonomia e conquistar autonomia é essencial ao desenvolvimento, quando hiper protegemos fazemos tudo pela criança, não lhe atribuindo responsabilidades e mobilizando o nosso dia a dia a favor dos desejos e necessidades das crianças.

 

          Uma das questões que os pais muito se preocupam com as crianças é a falta de autoestima, mas não nos podemos esquecer que ter uma autoestima sólida depende de nos sentirmos capazes e, muitas vezes,  quando uma criança é hiper protegida sente-se um bocadinho menos capaz, uma vez que não é desafiada nem colocada à prova, tornando-se assim mais difícil ‘ir a jogo’, gerando insegurança, que, não só agora, mas também na vida adulta, se poderá refletir no dia a dia. 


           Quando hiper protegemos, socorremos muitas vezes antes de observar, quando hiper protegemos, levantamos a criança antes de ela cair e reclamamos como Professor com ‘unhas e dentes’ sem percebermos se a criança tem efetivamente razão ou não, e, sempre que o fazemos, estamos a lapidar as competências socioemocionais das crianças, como por exemplo, impedi-las de aprender a gerir a frustração, isto é, se perante uma contrariedade há sempre alguém a resolver o problema, a criança nunca se vê obrigada a encontrar estratégias para resolver os seus problemas e tolerar a frustração a eles inerente. 


              É essencial deixarmos de acreditar que as crianças são de vidro e que precisam que estejamos constantemente a traçar-lhes o caminho. Pois é no espaço que lhes dá-mos, sem estarmos sempre alerta que uma crianças experimenta, cria, erra, tenta e consegue, que encontra as suas próprias soluções, se re-inventa sempre que isso é necessário,  e se torna capaz.

#escoladosentir

16 visualizações

Siga

910773647

  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

© 2020 by Escola do Sentir

Rua Abel Botelho 8A - Lisboa